"

VALE 360 NEWS – NOTÍCIAS DO VALE DO PARAÍBA E LITORAL NORTE

As principais notícias do Vale do Paraíba e do Litoral Norte em destaque

VÍDEO: Se militares tivessem ‘matado mais comunistas’ país estaria melhor, diz vereador

Advertisement

Por Xandu Alves/Jornal O Vale

No plenário da Câmara de São José dos Campos, o vereador Thomaz Henrique (PL) usou o período da ditadura militar no Brasil para criticar a esquerda. Ele negou que houve um golpe dos militares no país em 1964. CLIQUE AQUI E ENTRE NO NOSSO CANAL DO WHATSAPP

Em discurso na sessão da última terça-feira (2), ele disse: “Quem sabe se o governo militar tivesse matado mais comunistas, mais terroristas, tinha evitado o que está acontecendo hoje no Brasil”.

A fala causou polêmica e foi repudiada por outros vereadores, como Amélia Naomi (PT) e Dulce Rita. Amélia chamou a fala de “fascista” e disse que “muitas pessoas foram torturadas e mortas” na ditadura. “Nunca imaginaria ouvir isso aqui na Câmara, de um ser humano. Repudio essa fala fascista”.

Dulce Rita lembrou os pais perseguidos e disse que não se pode esquecer o que aconteceu no país: “Tem que repudiar [a ditadura], porque acompanhei isso de perto. Nós vimos o que deu nesse Brasil. Todas as vidas importam”.

Sem Golpe

Thomaz, que trocou o Novo pelo PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, discursou contra moção proposta por Amélia Naomi em repúdio aos “60 anos do golpe militar de 1964 e solidariedade às famílias dos mortos e desaparecidos pelo regime militar”. A moção foi aprovada com quatro votos contrários.

Em sua fala, Thomaz disse que “não vamos mais permitir que a esquerda continue escrevendo a história no Brasil”. E continuou: “Em 1964, os militares impediram um golpe comunista em curso no Brasil, a partir da revolução que os militares lideraram junto com o Congresso Nacional”.

Ele acrescentou que votaria contrário à moção da petista: “Essa moção fala das vítimas, a maioria terrorista, bandido”. E concluiu: “Quem sabe se o governo militar tivesse matado mais comunistas, mais terroristas, tinha evitado o que está acontecendo hoje no Brasil”.

O vereador Walter Hayashi (União Brasil) também disse que não houve golpe dos militares em 1964. Ele preferiu classificar como “intervenção”. Segundo ele, o Brasil ia ser “dominado pelos comunistas” quando os militares reagiram.

“Governo brasileiro homenageou Che Guevara e outros [naquela época] e caminhava para uma ditadura comunista, e por isso que teve a intervenção. Foi muito bom o governo militar”, afirmou Hayashi.

Repúdio

Amélia repudiou a fala de Thomaz e chamou a declaração de “fascista”: “Quero repudiar a fala fascista desse vereador, que disse que morreu pouco. Sabemos a história e o que fizeram os militares”.

“Fizemos uma Comissão da Verdade aqui na Câmara e teve estudante do ITA que foi morto. Quero repudiar essa fala incentivando que deveria ter mais violência, que infelizmente a Comissão da Verdade apurou pouco, teve muito mais mortes. Dizer que deveria morrer mais é um absurdo”, completou a petista, que chamou de “equivocada” a posição de Hayashi.

Procurado nesta quinta-feira (4), o vereador do PL chamou de “revolução” o que houve em 1964, um “contragolpe apoiado pelo Congresso Nacional para impedir um golpe comunista em curso no Brasil”.

“A partir daí, os comunistas que foram para a clandestinidade e formaram guerrilhas armadas se tornaram criminosos e promoviam ataques terroristas, roubos a bancos, sequestros e assassinatos de inocentes”, afirmou Thomaz.

“O governo militar reagiu e estes criminosos foram mortos em confronto. Os que sobreviveram se filiaram em partidos de extrema-esquerda e até hoje destroem o país”, completou o vereador.

Foto de Capa: Flávio Pereira / CMSJC

MP pede para que Justiça mantenha suspenso o aumento para secretários em São José dos Campos

Não perca a oportunidade de ficar bem-informado (a). Ganhe tempo e receba no seu Whatsapp as principais notícias do Vale do Paraíba. É simples, aperte o botão abaixo e entre no nosso grupo.